terça-feira, 27 de setembro de 2016

[Resenha] Coleção Sobrenatural: Vampiros


O primeiro volume da Coleção Sobrenatural, Vampiros, me foi cedido pela Editora AVEC já há algum tempo e agredeço ao editor Artur Vecci por ter sido paciente e não ter desistido de mim ou do The Nerd Bubble neste interim.


Título: Coleção Sobrenatural: Vampiros 
Organizador: Duda Falcão
Autores: Alexandre Cabral, Carlos Bacci, Carlos Patati, Duda Falcão, Fred Furtado, Giulia Moon, Ju Lund, Lord A. (Axikerzus Sahjaza), Marcelo Del Debbio, Nazarethe Fonseca, Simone Sauressig.
Editora: AVEC editora
Edição: 1ª
Páginas: 208
Ano: 2014
ISBN: 9788567901046
Gênero: Terror, suspense, coletânea, vampiros.
AVEC - Skoob

Sinopse: No primeiro volume da Coleção Sobrenatural da AVEC Editora você tem um encontro marcado com VAMPIROS! Eles estão entre nós desde o princípio dos tempos: são dominadores, caóticos, monstruosos, sedutores, caçadores, inescrupulosos, bisbilhoteiros e únicos. Para conhecê-los folheie as páginas desse tomo. Mas cuidado! Você descobrirá que alho, crucifixo ou água benta podem se revelar insuficientes na proteção contra vampiros. Saiba como identificar sugadores de sangue milenares antes que seu pescoço seja o próximo alvo! Tenha boa leitura, mas não esqueça: tranque bem as portas da sua residência durante a noite!.
Bem, vamos começar por uma visão geral do livro: ele é composto por 10 contos, todos obviamente trazendo os vampiros com elemento em comum. O interessante é que cada história aborda o tema de maneira diferente e alguns são bastante inovadores, o que é sempre um alento (a não ser quando essas inovações fazem vampiros brilharem, é claro). Não tinha lido nada de nenhum dos autores da antologia – exceto do organizador Duda Falcão – e fiquei agradavelmente surpresa com a qualidade da escrita em todos os contos, sem exceção.
Sobre a edição em si, admito que gosto bastante da capa. Embora simples, ela chama a atenção e estabelece bem o clima para a coletânea (presas e sangue, basicamente). Não lembro de erros de escrita ou digitação, o que significa que o trabalho de revisão foi muito bem feito. A diagramação é linda, com uma página ou duas pretas na apresentação de cada conto e uma pequena biografia de cada autor antes do começo de cada um deles. Se tivesse a foto dos escritores, teria sido perfeito!
O prefácio, de autoria de Lord A, é uma ótima introdução à coletânea. O escritor discorre um pouco sobre a trajetória do tema na literatura e no cinema, deixando o leitor no clima perfeito para o que vem a seguir.
O primeiro conto, O Dia da Caça da Giulia Moon, é também um dos mais longos e nos traz um jovem universitário que é raptado por vampiros e vendido como comida. Parece spoiler, mas, acredite, isso é só o começo! Com reviravoltas, uma escrita fluida e descrições na medida, O Dia da Caça levou 4/5.
O conto que vem na sequência, Sangue e Poeira de Fred Furtado, é o meu favorito. Em um Brasil distópico, onde a população convive com tempestades de areia e poeira tóxica (resultante da ambição desenfreada da humanidade), há mais uma desgraça à espreita: algo – uma onça, querem acreditar – matou uma criança em meio a uma tempestade particularmente ruim. Quando mais pessoas morrem na mesma forma – não asfixiadas ou comidas, mas exangues – o medo aumenta na cidade e, no dia da pior tempestade, nosso narrador ainda criança encontra quem – ou o que – realmente causou as mortes. Com uma nova leitura de vampiros e uma escrita direta, o conto conquistou a mim e um 5/5.
O Orquidófilo de Simone Saueressig, embora seja um pouco mais lento do que eu gosto, tem muitos pontos positivos para compensar, começando pela escrita em forma de diário que torna a experiência mais intensa, já que é quase como se estivéssemos acompanhando "em tempo real" o tal orquidófilo do título em sua busca na floresta decadente por um tipo desconhecido de orquídea para dar-lhe o nome de sua amada e, assim, imortalizá-la. Além disso, as definições de vampiro são mantidas, mas a caracterização é totalmente diferente do que vemos por aí. Pela criatividade, dou-lhe 4/5.
O conto O Vampiro Cristão do organizador Duda Falcão é o seguinte, e traz um ser amaldiçoado ao vampirismo que não perdeu sua fé. Temos também uma fada insistente, banida de seu mundo e muito, muito esperta. O vampiro cristão do título, além de sua condição imortal, enfrenta também um demônio, um real enviado do diabo. Os acontecimentos são um tanto inesperados, o que tornou a leitura ainda mais divertida. Considerando a escrita e os personagens, a nota final fica em 4/5.
Olho por Olho da Nazareth Fonseca é o próximo e tem sua trama regida por vingança. Cecily Marcos, a protagonista, é uma consultora do S1 – organização cujos agentes se infiltram em outros setores da lei em busca de casos “estranhos”. Excelente em seu trabalho, ela deve usar seus conhecimentos bastante específicos e as novas informações (leia corpos) sobre o vampiro que a sequestrou anos atrás para conseguir finalmente sua tão desejada vingança. Embora eu tenha demorado um pouco para entender o que estava acontecendo na história, o final foi de tirar o chapéu e, por isso, fica com 3,5/5.
O conto de Alexandre Cabral, All in, foi o que menos me prendeu e o porquê não tem nada a ver com uma escrita ruim – pelo contrário, esse é um dos contos mais interessantes e com vampiros mais divertidos. No entanto, eu não entendo absolutamente nada de pôquer, que é parte importante do conto. Para ser justa, o autor tenta explicar o básico, mas infelizmente o jogo está além da minha compreensão. Por outro lado, a premissa é das mais legais: um grupo de vampiros, de tempos em tempos, chama um humano para participar de uma mesa de pôquer onde altas quantias de dinheiro e sangue estão em jogo. O humano escolhido, Paulo, é um consultor de investimentos que odeia a rotina e tem o interessante hábito de classificar as pessoas com um critério único, que eu não vou contar aqui para não atrapalhar a surpresa. Considerando tudo, dei ao conto 3,5/5.
Um dos contos mais curtos da coletânea, Anunciação da Ju Lund, não deixa nada a desejar ao mais longos. Aqui seguimos Lauren, uma jovem estudante de medicina, que aceitou sair com as amigas e alguns rapazes que elas conheceram pela internet. No festa temática, ela conhece um belíssimo jovem e, ao som de forró de qualidade, os dois dançam. O que vem depois, embora possamos imaginar em parte, ainda chega a surpreender um pouco. A escrita é agradável e a nota ficou em 3,5/5 também.
A Fonte da Donzela de Carlos Patati é outro dos contos mais longos e, embora eu admire a escrita do autor, devo admitir que não chamou muito minha atenção. Apesar de uma personagem e uma premissa interessantes – uma vampira antiga acorda de sua longa hibernação e se depara (e se encanta) com um novo mundo: o do cinema –, achei que houve descrições e detalhes que se repetiram demais. O tom do conto e a criatividade me agradaram, especialmente o momento em que Isabel relembra como foi transformada, e é o favorito de muitos que também leram a coletânea. Considerando estes aspectos, deixei a nota em 3/5.
O outro conto curto e incrivelmente criativo é o próximo. Colonização de Carlos Bacci traz vampiros alienígenas – isso mesmo! – e uma narração em terceira e primeira pessoa que, embora possa soar confusa, dá um toque extra à trama. A criatividade do escritor merece um 4/5.
Parsifal de Marcelo Del Debbio encerra a antologia com uma história bastante interessante, com grandes referências históricas, vampiros interessantes e intercalando ópera com a vida do vampiro protagonista. Com Strigoi, Iluminatti, Maçonaria e criatividade, o conto final arrebatou um 4/5 também.
Uma coisa que aprendi lendo coletâneas é que sempre há contos de qualidade inferior aos outros; às vezes um só, às vezes vários, mas sempre há. Depois de ler Coleção Sobrenatural: Vampiros achei minha exceção à regra. Claro que alguns me agradaram mais que outros, mas a qualidade de todos os contos é surpreendente e mostra que Duda Falcão e a editora foram criteriosos e brilhantes em suas escolhas. Só me resta recomendar este livro - com nota final de 4/5 - para todos que se interessam por essas criaturas noturnas e sedentas de sangue que, de uma forma ou de outra, insistem em roubar a cena!

Um comentário:

  1. Adoro coletâneas de contos e vampiros! Adicionado à lista de desejos com sucesso.

    ResponderExcluir